Inicial
  O Conselho
  Terapias Alternativas
  Glossário
  Filiação
  Membros
  Cursos e Palestras
  Artigos
  Legislação
  Notícias
  Contato


Preencha seu e-mail e receba informativos do Conselho Holístico:
Email:

 

 

 

 
 
HIPNOSE

HIPNOSE

Hipnose é um estado diferenciado de consciência, alterado em comparação com os estados ordinários de vigília e de sono, com elevada receptividade à sugestão por parte da pessoa que nele ingressa, por si mesma ou com intervenção de outra pessoa.

Sim, principalmente para os pacientes que somente atingiram o transe leve. Por se recordarem de tudo o que foi conversado (e é essa mesma a função da hipnoterapia), alguns pacientes duvidam que tenham sido hipnotizados. Ainda fazem parte daquelas pessoas acostumadas a assistirem verdadeiros “shows” de hipnose de palco, onde os participantes em estado de transe comem uma cebola supondo estarem comendo uma maçã; ou cacarejam como galinhas, servindo-se de verdadeiros palhaços ao hipnotizador e à platéia. A hipnoterapia é bastante diferente. Nela o paciente está totalmente consciente das sugestões que lhe estão sendo dadas, com a diferença de que o seu cérebro, em estado alterado de consciência, tem a capacidade muitíssimas vezes mais ampliada para absorver o conteúdo destas sugestões e colocá-las em prática no dia-a-dia sem qualquer questionamento ou senso de auto-crítica.

Alguns especialistas afirmam que toda hipnose é, afinal, auto-hipnose, pelo fato de depender precisamente da aquiescência ou consentimento (num dado grau ou nível, ainda que incipiente) daquele que deseja ou, pelo menos, concorda com ser hipnotizado.

Quando um hipnólogo induz um transe hipnótico, estabelece uma relação ou comunicação muito estreita com o hipnotizado. Isso, de fato, é essencial para o sucesso da hipnose

TRANSE HIPNÓTICO É ATENÇÃO CONCENTRADA

Embora durante a indução hipnótica freqüentemente se utilizem expressões como “durma” e “sono”, isso é feito porque tais palavras criam a disposição correta para o aparecimento do transe. Não significam, em absoluto, ingresso em estado inconsciente. O paciente em transe percebe claramente o que ocorre à sua volta, e pode relatá-lo.

A parte mais importante da indução hipnótica se denomina “rapport”, que pode ser definido como uma relação de confiança e cooperação entre o hipnólogo e o paciente. Qualquer violação desta relação com sugestões ofensivas à integridade do paciente resultaria em interrupção imediata e voluntária do estado de transe por parte do mesmo. Infundado, portanto, o temor de revelar segredos contra a vontade ou praticar atos indesejados. Da mesma forma, a crença de que se pode morrer em transe ou não mais acordar é meramente folclórica e não corresponde à realidade. Um paciente “esquecido” pelo hipnólogo sairia espontaneamente do transe ou passaria deste para sono fisiológico em poucos minutos.

TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS PSICOLÓGICOS

Ansiedade, pânico, fobias, depressão, disfunções sexuais no homem ou na mulher, e dezenas de outras sintomatologias, principalmente de origem psicossomática.

O sofrimento psicológico pode ser tão ou mais intenso e incapacitante quanto a dor física.

As atuais técnicas psicoterápicas convencionais nem sempre são eficazes e por vezes são muito demoradas e onerosas.

Medicação, conquanto competentemente prescrita, está freqüentemente associada a efeitos colaterais, secundários desagradáveis. Afora o fato de, também com freqüência, não se conhecer medicamente, com a profundidade necessária e suficiente, da doença.

Em princípio, qualquer disfunção suscetível de psicoterapia, é tratável com hipnoterapia.

Assim, pois, as disfunções alimentares em geral, como anorexia, bulimia, obesidade.

Emagrecimento saudável não pode ser obtido da noite para o dia. Pelo menos não sem impor riscos e agredir o organismo com cirurgias desnecessárias, dietas rigorosas e prejudiciais ou medicamentos perigosos. E mesmo assim tais resultados raramente são duradouros.

As diferenças entre uma pessoa obesa e uma magra vão muito além do que a balança e o espelho registram.

O tratamento baseado em hipnose propõe uma reestruturação da personalidade, na qual magreza e elegância acompanham mudanças profundas e definitivas na relação do indivíduo com o mundo. 

DÚVIDAS MAIS COMUNS SOBRE HIPNOSE 

A hipnose é causada pelo poder do hipnotizador?

Este é um mito comum em hipnose de Show, o que se vê é alguém autoritário sugestionando as pessoas a fazerem aquilo que eles pedem e muitas vezes não há resultados. A hipnose não acontece apenas pelo poder do hipnotizador, mas sim, pela aceitação e interação da pessoa que deseja experienciar aquilo que se pede. A hipnose só acontece num campo de harmonia e confiança (rapport) entre operador e cliente. Pode-se afirmar com toda a segurança que o sucesso de uma hipnose deve-se muito mais ao poder de concentração e de imaginação do paciente do que da própria habilidade do hipnólogo.

Quem pode ser hipnotizado?

Teoricamente qualquer pessoa pode ser hipnotizada. Há pessoas que acreditam que só acontece com pessoas de mente fraca. Na verdade a hipnose faz parte do nosso dia a dia. Entramos em transe espontaneamente algumas vezes por dia. Quem não experienciou tomar banho, ir se desligando de tudo e viajar nos pensamentos? Quem já não deu um telefonema e esqueceu para onde ligava? Quando você dirige um automóvel, presta a atenção ao trânsito e troca marcha, pedais, seta, limpador, luzes e ainda conversa com os passageiros sem perceber. Andar grandes distâncias, sem se dar conta o quanto havia percorrido. Estar assistindo a um filme de forma tão concentrada que sequer percebe que a comida que deixou no fogão está queimando, exalando fumaça pela casa. Esses fenômenos hipnóticos do nosso dia a dia são fenômenos de focalização e atenção. Portanto, um hipnotizador habilidoso numa boa interação com seu cliente de confiança e motivação certamente o levará ao transe. Em tese, todas as pessoas são de alguma forma hipnotizadas naturalmente durante o dia a dia. E também podem ser hipnotizadas por indução. O hipnotismo se processa melhor em pessoas inteligentes, com bom poder de concentração e de imaginação, podendo, eventualmente, não alcançar aquelas que tem o senso crítico muito exacerbado, ou que ocupam posição de mando na sua vida laboral, e também aquelas que não conseguem de forma alguma relaxar por se concentrarem muito mais no passado e no futuro do que no presente. A grande taxa de insucesso numa sessão de hipnoterapia ocorre com pessoas que nunca abrem a guarda, estão sempre na defensiva, não abdicam do controle de sua mente, seja por uma condição própria de sua personalidade, seja por não confiar no terapeuta.

O hipnotizador controla o desejo do cliente?

A mente inconsciente é sabiamente amiga, portanto, esta afirmativa é falsa. Todos nós somos protegidos pelo nosso inconsciente de fazer aquilo que não deseja. Caso ele o faça é porque julgou inofensivo, ou por acreditar que aquilo possa ajudar. No mais, todos nós temos interiormente um código ético e moral, e somente faremos qualquer coisa que não esteja em conflito com as regras constantes deste código. Dizer, portanto, que o hipnólogo induziu o paciente a matar alguém, no mínimo é uma hipótese muito remota. A não ser que o paciente já tinha a intenção de cometer o crime em razão do ato não contrariar suas normas morais internas.

A hipnose pode ser prejudicial à saúde?

Tudo que é demais prejudica. Mas em si a hipnose não faz mal algum, pois é parte de nossa vida diária. O que faz mal é a manipulação inescrupulosa por certos profissionais e a credulidade de certos clientes. A reação “adversa” mais comum é uma sensação de bem estar, de relaxamento, de serenidade.

Alguém pode se tornar dependente da hipnose?

Quando as pessoas procuram por ajuda, estão de certa maneira dependentes do profissional que as atende. Mas a medida que vão se curando, esta dependência acaba. O objetivo é ajudar a pessoa a se curar e ser auto suficiente. Pode-se até ensinar a auto hipnose como auto-ajuda e independência.

A pessoa pode não voltar do transe e ficar presa nele?

Não é possível que isso aconteça; o máximo que acontece é a pessoa adormecer, que seria o passo seguinte ao transe profundo. Sabemos que o transe é um estado entre vigília e o sono. Se você se aprofundar irá dormir e pode ser acordado.

A hipnose é um estado de atenção focalizada, o que não quer dizer que você perca a consciência. Ocorrem modificações nas percepções e, num nível mais profundo de transe; acontece um desligamento da atenção vigilante. É só no transe profundo é que ocorre a amnésia total.

Hipnose é Terapia?

A hipnose não é a terapia, mas uma boa ferramenta utilizada numa terapia, que ajuda a acessar o inconsciente de uma maneira ágil. Mas a hipnose por si só traz alívio e paz, o que é curativo também.

Hipnose é Regressão?

Regressão é um dos muitos fenômenos que podem ocorrer com a pessoa em transe, mas nem toda pessoa regride quando entra em transe. Principalmente as pessoas mais ligadas, mais controladoras, muito pensativas racionalmente. Possuem resistência maior de entrar em transe profundo. Para haver regressão há necessidade de um transe médio profundo. A regressão ocorre como uma hiperamnésia, em que, fatos, imagens e sensações são revivificadas de maneira intensa. Pode ocorrer naturalmente ou por indução. Mas a regressão não é hipnose. A hipnose abrange outros fenômenos que também são utilizados dentro do transe, muitas vezes com maior eficácia e não procura sensação de derrota para aqueles que não conseguem. Não há necessidade de fazer regressão na hipnoterapia. Lembramos que a regressão de memória pode ser construída. O que vale é a realidade psíquica para o nosso trabalho.

Há perigos na hipnose?

A hipnose trabalha a mente inconsciente do ser humano (o oculto) devemos ter muito cuidado e ética. A hipnose exige conhecimentos profundos do profissional, um bom preparo e estudo da mente humana (Psicanálise, Psicoterapias, Psicopatologia etc..). É útil e eficaz em mãos hábeis, se torna perigosa se aplicada inescrupulosamente.

A hipnose pode ser aprendida por um hipnotista de palco?

Se o propósito for a psicoterapia, não adianta só saber hipnotizar e dirigir rolex replica italia através de ordens, o que um hipnotizador de palco sabe fazer muito, e não tiramos seu mérito. Mas é preciso muito mais, há de se analisar o lado Psicológico, Psicanalítico e Psicodinâmico dos problemas que a pessoa traz.

A hipnose realiza milagres?

Pode até parecer, mas não é. A hipnose é um trabalho sério, desenvolvido cientificamente. O que ocorre quando a hipnose é bem aplicada com uma interação do operador e paciente, juntando-se a motivação e a abertura de riquezas do seu inconsciente, então se abre um novo caminho, o acesso às respostas interiores parece milagre, mas é algo cientificamente teórico.

A hipnose significa inconsciência?

Infelizmente as pessoas estão mal informadas ou não conhecem a hipnose. Estar em transe não é ficar inconsciente. Estar em transe é ficar atento, com uma atenção focada. Quer dizer atenta a tudo que o hipnotizador diz, e não “apagar”. O sujeito em transe (hipnotizado) ouve, sente e fala, mas em uma abertura especial e não na falta de consciência. Se juntarmos isto ao milagre anterior, você verá muitas pessoas que procuram a terapia de hipnose, não terem um bom resultado. As pessoas têm tanto medo do inconsciente que estão a procura de alguém que faça um milagre de forma inconsciente. Aqueles que escolherem esta terapia como alternativa precisam estar motivados a aceitação e acreditar que lá no fundo existe um tesouro em recursos para sua recuperação.

O paciente é hipnotizado logo na primeira sessão?

Isto depende muito, variando de paciente para paciente, não existindo uma regra. Alguns entram em transe rápido, outros demoram um pouco mais, mas todos podem ser hipnotizados desde que realmente desejem. Isto poderá ocorrer na primeira ou nas últimas sessões, não havendo previsão. O hipnólogo consciente e ético não deve prometer nada neste sentido. Pacientes extremamente ansiosos tem maiores dificuldades, já que seus cérebros funcionam muito rapidamente, dificultando a concentração. Às vezes costumo recomendar a estes pacientes que procurem um médico e que comecem a utilizar algum tipo de ansiolítico, tal qual o Rivotril ou o Frontal, por um breve período de tempo para desacelerar a mente. Depois o medicamento poderá ou não ser descontinuado, dependendo da avaliação do paciente em conjunto com o médico que fez a indicação. O uso de florais por uns 15/30 dias antes da primeira consulta também é muito produtivo, pois as essências florais trabalham a “energia” sutil do corpo, e permitem deixar a ansiedade sob controle.

A hipnose debilita a mente?

Ao contrário, limpa a mente, reabilita suas energias vitais, harmoniza os seus sentimentos para que a pessoa possa se soltar em busca de seus objetivos.

Uma pessoa hipnotizada revela seus segredos?

Não, de maneira alguma, não poderá o hipnotizador fazer com que ela confesse seus segredos como se estivesse drogada; falará somente se quiser. A hipnose pode ajudar a lembrança vivida de um fato esquecido, desse modo a pessoa vai dizer o que necessita. A hipnose não é um processo que obriga as pessoas a dizerem o que não querem.

E se houver a morte do hipnotizador durante o transe?

O que acontecerá é que, se o cliente não ouvir mais a voz do hipnotizador, interromperá o transe induzido ou continuará em auto-hipnose e em seguida despertará como se estivesse em sono natural.

Mas, simplificadamente, porque a hipnose funciona realmente?

A via de acesso no organismo humano mais eficiente para curar doenças físicas mais rapidamente é a endovenosa. Para o remédio fazer efeito mais rapidamente, os médicos usam injetar substâncias medicamentosas diretamente na veia do doente. A via de acesso mais eficaz para penetrar no subconsciente do paciente é a hipnose, pois neste estado a mente consciente (ou mente analítica) se afasta, dando lugar à mente inconsciente e potencializando as sugestões dadas pelo hipnoterapeuta.

Há casos em que o paciente tem a sensação (ou quase certeza) de não ter sido hipnotizado, embora verdadeiramente tenha entrado em transe?

É um conjunto de técnicas psicológicas e fisiológicas usadas para a modificação gradual da atenção. Durante este processo, o grau de suscetibilidade à hipnose é medido pela capacidade dos pacientes em desconectar sua consciência do mundo exterior e se concentrar em experiências sugeridas pelo hipnólogo. Quanto maior for essa capacidade, maiores serão as possibilidade do paciente desenvolver fenômenos hipnóticos sugeridos, dentre os quais podemos destacar: amnésia total ou parcial da experiência hipnótica, anestesia, modificação da percepção, alucinações, crises histéricas, aguçamento da memória, modificação nas respostas fisiológicas, entre outros.



Autor: ÉRIC ARMSTRONG

Mais Artigos

 

| página inicial | voltar

 

 

 

 
 
inicial     conselho    terapias     glossário     cursos e palestras     filiação     notícias      contato
Copyright 2007 conselhoholisticopr.com.br, Todos os Direitos Reservados ®
Desenvolvido por Fatcho